Pesquisar este blog

domingo, 11 de setembro de 2011

“O ESSENCIAL É INVISÍVEL AOS OLHOS”





“O ESSENCIAL É INVISÍVEL AOS OLHOS”

       Quem costuma julgar as pessoas pela aparência, jamais poderia imaginar a cultura, a inteligência, a sabedoria, a perspicácia do nosso inesquecível José Antonio Lobo.
          Lobinho, como era carinhosamente chamado, deixou um legado como poucos. Artista plástico, conhecedor profundo da História da Arte, escritor, era dono de um delicioso e inteligente sarcasmo com relação a tudo o que não concordava. Conviver com ele era saborear fatos narrados nos mínimos detalhes, sob uma análise inteligente dos fatos.
          Nasceu em Brasópolis e foi Professor do Conservatório Estadual de Música de Pouso Alegre de 1977 a 2003, quando faleceu. Lobinho era exímio criador de projetos e brigava muito pela qualidade do ensino. Fez muito pelo Conservatório.
          Fui sua aluna, e como tal, participei de várias viagens para as nossas cidades históricas. Foram viagens fantásticas, onde toda a turma se deliciava com os fatos tão bem narrados por ele. Mergulhávamos na história e divertíamos com seus comentários jocosos. Jamais se esquece o que se aprende assim!
          Pouco tempo antes de falecer, Lobinho lançou sua primeira obra “Um Milagre para Angélica”, onde narra conflitos sociais, culturais e religiosos, desencadeados pelo milagre do Beato Benjamim do Carmo. Usou nomes fictícios para personagens verdadeiros – seus amigos de infância. Segundo ele, “o livro narra indiretamente toda a experiência que tive com o povo e a paróquia no período em que fui padre”. Nessa obra, o autor resgata a cultura e a tradição do Sul de Minas. Um segundo livro estava sendo preparado. Tive a oportunidade de ler alguns manuscritos dele, que contava a história do Conservatório, da sua maneira peculiar. Que pena que não deu tempo de ser lançado!
          Suas telas são disputadas até hoje pelos seus admiradores e conhecedores da Arte. Seus trabalhos em bico de pena são fantásticos! Ele era extremamente hábil com os pincéis e um mestre na arte literária. Chegou a escrever peças de teatro que nunca foram representadas, e tinha planos, muitos planos...
          Nada mais justo criar uma associação que leva seu nome, a ACAJAL – Associação de Cultura e Arte José Antonio Lobo. Justa homenagem a essa pessoa que fez tanto pela Arte e pela Cultura!
          Até hoje, quem entra no Conservatório e caminha pelo corredor ao lado da cantina, sente a sua presença marcante, seja nos seus quadros expostos, seja na sala onde dava aulas e que hoje leva seu nome, seja na lembrança dos bate-papos agradáveis e inteligentes, seja na lembrança daquela figura simples, que não se importava com a aparência física, mas que, quando abria a boca (já quase sem dentes), deixava qualquer um fascinado com sua sabedoria.
          Realmente, o “essencial é invisível aos olhos”...
         

Regina Vilela 

2 comentários:

  1. Fernanda Tersi, Lara e Álvaro13 de setembro de 2011 21:53

    Regina...
    Ficou lindo!
    Estou emocionada!

    ResponderExcluir
  2. Fernanda Tersi, Lara e Álvaro13 de setembro de 2011 21:55

    Há aqueles que lutam um dia; e por isso são muito bons;
    Há aqueles que lutam muitos dias; e por isso são muito bons;
    Há aqueles que lutam anos; e são melhores ainda;
    Porém há aqueles que lutam toda a vida; esses são imprescindíveis.
    (Bertold Brecht)

    ResponderExcluir